MASP

Victor Brauner

Taça da dúvida (Coupe du doute), 1946

  • Autor:
    Victor Brauner
  • Dados biográficos:
    Piatra Neamt, Romênia, 1903-Paris, França ,1966
  • Título:
    Taça da dúvida (Coupe du doute)
  • Data da obra:
    1946
  • Técnica:
    Têmpera a cera sobre eucatex
  • Dimensões:
    65 x 50 x 0,3 cm
  • Aquisição:
    Doação Alto Madeira S.A. Porto Velho, 1949
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    MASP.00162
  • Créditos da fotografia:
    João Musa

TEXTOS



Depois de estudar na Escola de Belas Artes de Bucareste, mudou-se para a França, onde se aproximou da obra do italiano Giorgio Di Chirico (1888-1978), cujos mundos irreais e fantasiosos teriam um grande impacto em sua produção. Integrou o grupo surrealista francês entre 1932 e 1943 ao lado de Yves Tanguy (1900-1955) e André Breton (1896-1966). A partir do final dos anos 1930, seu trabalho se apresenta cada vez mais como uma mescla enigmática de signos provenientes de diferentes tradições religiosas e práticas esotéricas. Taça da dúvida é um exemplo desse caráter misterioso do trabalho de Brauner. Com um rosto representado simultaneamente de perfil e de frente, uma figura central que segura uma taça ocupa os dois registros de um espaço abstrato, ao lado da qual se encontra um animal semelhante a um cão. O tratamento frontal, estilizado e sem volume das figuras, a composição espelhada, assim como a presença de diferentes símbolos, sugere uma aproximação com a tradição do tarô, conhecida e estudada pelo artista. De um ponto de vista técnico, essa obra é característica de sua produção pós-guerra, quando, durante seu exílio na Suíça, o artista optou pelo uso de cera pigmentada, por falta de tinta.

— Equipe curatorial MASP, 2017




Por Olivia Ardui
Sempre achei o tarô instigante enquanto ferramenta para exercer a imaginação e a interpretação, grandes aliadas na leitura de imagens. Quando vi Taça da dúvida de Victor Brauner (1903-1966) pela primeira vez nos cavaletes, estava finalizando um livro sobre os arcanos do tarô no mundo das artes com Marco Antonio Mota. Imediatamente reconheci um arcano presente diante de mim que, como uma esfinge, formulava um enigma com sua face-perfil e o complexo sistema de símbolos e significados duplos que ali se apresentavam. A figura feminina segura uma taça-fonte cuja água chega até a garganta antes de desaguar em dois círculos-seios. Se o semblante inexpressivo de seu rosto evoca o silêncio, talvez seja para escutar melhor, como o sugere o gesto da mão à orelha ou ainda os contornos coloridos de formas geométricas imbricadas que lembram ondas e ecos reverberando deste ou outros mundos. Uma escuta sensitiva que não deixa de remeter à própria experiência do pintor romeno que, desde criança, desenvolveu sua mediunidade e esteve em contato com misticismos diversos e fenômenos paranormais. Entre os surrealistas ficou conhecido como um pintor vidente, ao realizar um autorretrato com olho mutilado, uma espécie de presságio de um acidente em uma briga que, anos depois, lhe custaria a visão de um deles. Eu me pergunto se o pintor em algum momento chegou a vislumbrar o destino de sua obra que, um ano depois de pintada, ao ser exposta na galeria Julien Levy em 1947 em Nova York, seria adquirida junto com uma tela do mesmo ano para o acervo do MASP.

— Olivia Ardui, curadora assistente, MASP, 2020





Por Luciano Migliaccio
Segundo Aguilar (1991), Brauner experimentou com tanta acuidade a imagética pré-colombiana que produziu novos programas visuais astecas. Dentro da disciplina cubista, tal como abordada por Klee, Brauner cria figuras planas que só conseguem escapar da mera bidimensionalidade pela audácia de incendiar de amarelo-ouro o plano do fundo – Taça da Dúvida (Coupe du Doute) e Arquitetura Pentacular. A partir da janela incandescente, a figura se ejeta, com o rosto tratado em dois momentos, simultaneamente de frente e de perfil, procedimento retomado mais da fase mediterrânea que da fase cubista de Picasso. A espacialidade está sugerida pelo leve inclinar da taça que equilibra pesos da mesma densidade, ao mesmo tempo frutos, seios e fonte. Como uma carta de tarô vinda de uma antigüidade remota, da qual traz as marcas na textura, a figura possui a força simbólica dos ídolos antigos e dos brasões, pronta para ganhar vida somente aos olhos dos iniciados. O poeta René Char escreveu sobre a arte de Brauner: “após longas efervescências e uma maturação de angústia, Victor Brauner empunha a fábula de nossa grandeza desamparada e a reintroduz em seus retratos de Faium, afrescos da Vila dos Mistérios de Pompéia, beijo do Judas de Saint-Nectaire, corvos fuziladores de Van Gogh. Brauner caminha no limite do centro solar e beneficamente”. Para Alain Jouffroy, Brauner é o único que ultrapassou a experiência surrealista como havia sido ilustrada por Dalí e Magritte, de um lado, e por Max Ernst, de outro. Sua obra possui essência simbólica e é, ao mesmo tempo, autobiográfica, ao exprimir de forma original as angústias e as inquietudes do homem contemporâneo.

— Luciano Migliaccio, 1998


Fonte: Luiz Marques (org.), Catálogo do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo: MASP, 1998. (reedição, 2008).



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca