MASP

Arthur Luiz Piza

Sem título, 1982

  • Autor:
    Arthur Luiz Piza
  • Dados biográficos:
    São Paulo, Brasil, 1928-2017
  • Título:
    Sem título
  • Data da obra:
    1982
  • Técnica:
    Acrílica, fibra natural e metal
  • Dimensões:
    40 x 35 cm
  • Aquisição:
    Comodato MASP B3 – BRASIL, BOLSA, BALCÃO, em homenagem aos ex-conselheiros da BM&F e BOVESPA
  • Designação:
    Gravura
  • Número de inventário:
    C.01250
  • Créditos da fotografia:
    MASP

TEXTOS



Nascido em uma família abastada, Arthur Luiz Piza viveu por vários períodos da sua vida em Paris. Foi influenciado pelas técnicas gestuais do tachismo e pela ordenação rigorosa do construtivismo. Na década de 1960, o artista começou a picotar suas aquarelas, usando os fragmentos em colagens sobre diferentes tipos de suporte. No final da década de 1970 e início da década de 1980, criou um grupo de obras chamadas de “capachos”, do qual Sem título (1982) faz parte. Trata-se de pequenas placas quadradas em metal preto conectadas sobre uma superfície de capacho em sisal (fibra natural) pintada com tinta acrílica cinza. Piza constrói o trabalho a partir de vários fragmentos retangulares negros, que se contrapõem ao pontilhado mais claro ao fundo, criando um jogo entre as duas texturas. Um corpo abstrato de células salta sobre o espaço delimitado pela caixa acrílica que emoldura o trabalho, aglomerando-se em uma trama tridimensional e saturada. Esses fragmentos parecem querer se soltar do plano bidimensional, como partes de um mosaico que se desfez. A pesquisa de Piza também é de ordem óptica, verificada na variabilidade das sombras desses fragmentos e da fibra do sisal em relação à iluminação dos ambientes, criando diferentes ritmos e contrastes de tons de cinza no trabalho. Há também, nesses relevos, marca da obra de Piza, a tensão de uma vontade de ordem que, no entanto, não se concretiza. Embora contenham algo que remete à seriação e à repetição, as pequenas partículas, irregulares, combinam-se e coexistem em variadas direções.

— Guilherme Giufrida, assistente curatorial, MASP, 2018


Fonte: Adriano Pedrosa, Guilherme Giufrida, Olivia Ardui (orgs.), Da Bolsa ao Museu – comodato MASP B3: arte no Brasil, séculos 19 e 20, São Paulo: MASP, 2018.



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca