MASP

Ione Saldanha

Bambu, Sem data

  • Autor:
    Ione Saldanha
  • Dados biográficos:
    Alegrete, Rio Grande do Sul, Brasil, 1919-Rio de Janeiro, Brasil, 2001
  • Título:
    Bambu
  • Data da obra:
    Sem data
  • Técnica:
    Acrílica sobre bambu
  • Dimensões:
    162 x 14 cm
  • Aquisição:
    Comodato MASP B3 – BRASIL, BOLSA, BALCÃO, em homenagem aos ex-conselheiros da BM&F e BOVESPA
  • Designação:
    Escultura
  • Número de inventário:
    C.01225
  • Créditos da fotografia:
    MASP

TEXTOS



Nos anos 1940 e 1950, no início de sua carreira como pintora, a gaúcha Ione Saldanha (1919-2001) produziu obras figurativas, como cenas cotidianas, retratos e casarios. Geometrizou, progressivamente, as cidades e as arquiteturas, tornando-as abstrações. Nesses trabalhos, os jogos de verticalidade e horizontalidade assumem papel estrutural. No final da década de 1960, Saldanha passou a utilizar outros suportes, abandonando a superfície bidimensional e pintando sobre ripas, carretéis e bambus. A estrutura do bambu materializa componentes geométricos e padrões da própria natureza. Ademais, o bambu é encontrado em abundância na vegetação tropical; sua forma e sua textura lembram mastros, bandeiras ou totens típicos de festividades e de rituais religiosos brasileiros. Saldanha produziu, nessas obras intituladas Bambu (sem data), esculturas que, se expostas em conjunto, podem criar experiências que remetem a instalações. Destaca-se o ritmo criado pela sucessão de variações cromáticas, que parecem se disseminar e se projetar pelo espaço. Ao nos aproximarmos das peças, vemos também grafias anônimas inscritas sob as pinturas. As escolhas da pintora estabelecem diferenças em relação à trama da planta, criando um jogo entre as marcas e as divisões da geometria pictórica colorida, os ritmos orgânicos do próprio vegetal e a ação humana anterior à pintura.

— Guilherme Giufrida, assistente curatorial, MASP, 2018


Fonte: Adriano Pedrosa, Guilherme Giufrida, Olivia Ardui (orgs.), Da Bolsa ao Museu – comodato MASP B3: arte no Brasil, séculos 19 e 20, São Paulo: MASP, 2018.



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca