MASP

Diego Rivera

O carregador (Las ilusiones), 1944

  • Autor:
    Diego Rivera
  • Dados biográficos:
    Guanajauto, México, 1886-Cidade do México, México ,1957
  • Título:
    O carregador (Las ilusiones)
  • Data da obra:
    1944
  • Técnica:
    Óleo sobre papelão
  • Dimensões:
    76 x 59 x 2,5 cm
  • Aquisição:
    Doação Valentim Bouças, 1947
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    MASP.00213
  • Créditos da fotografia:
    João Musa

TEXTOS



Nos anos em que estudou em Paris (1907-21), Rivera conheceu o cubismo de Picasso (1881-1973) e as pinturas de Cézanne (1839-1906) e Modigliani (1884-1920). Voltou ao México em 1921 e começou a pesquisar e colecionar objetos populares e pré-colombianos. Nessas bases, concebeu uma pintura épica, de grandes superfícies, para a fruição e educação de massa. A partir de 1922, com o apoio do Ministério da Educação, realizou pinturas murais em numerosos edifícios públicos da Cidade do México, Cuernavaca e Chapingo. Em 1929, Rivera casou-se com a pintora mexicana Frida Khalo (1907-1954), aproximando-se, com ela, do movimento surrealista e das posições ideológicas de Leon Trótski (1879-1940), revolucionário russo que foi assassinado na casa de Rivera, em 1940. O carregador (1944) reflete as ideias revolucionárias da época, que buscavam valorizar e politizar a classe trabalhadora por meio da representação das tradições populares na arte. Nesta pintura, Rivera procurou usar cores com o mesmo tipo de brilho e aspereza da tinta de parede dos povoados mexicanos. As linhas retas da parede e da porta contrastam com as abóboras imensas e redondas, criando uma perspectiva inusitada, dentro da qual o homem retratado encara o espectador, entre as abóboras, logo abaixo do letreiro onde se lê “as ilusões”.

— Equipe curatorial MASP, 2017




Por Luciano Migliaccio
O tema do quadro O Carregador (“Las Ilusiones”) parece derivado da descrição moralizante da vida e das figuras do campo, característica da pintura anedótica “nativista”, tão comum na arte acadêmica do final do século passado. O espaço é definido por quadrados e retângulos proporcionais que o aproximam do espaço da pintura de Giotto e dos chamados “primitivos” italianos. O fundo achatado contrapõe-se ao volume arredondado e simplificado da anca do burro e das abóboras fálicas, criando voluntariamente um efeito sarcástico. A paleta do artista é enriquecida por tons mais brilhantes que criam efeitos de “cor local”, cuidadosamente procurados. Como a outra obra de Rivera do museu, esse quadro, dos mais conhecidos do pintor mexicano, evidencia o uso de iconografias populares, deixando, além disso, transparecer a influência do surrealismo. É possível reconhecer a herança de Rivera na apropriação da iconografia da mass-media por parte da cultura pop dos anos 60 e na pintura inglesa das últimas décadas, nomeadamente em artistas como o norte-americano Kitaj e os expoentes da neo-vanguarda de Glasgow, Ken Currie e Peter De Francia.

— Luciano Migliaccio, 1998


Fonte: Luiz Marques (org.), Catálogo do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo: MASP, 1998. (reedição, 2008).



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca