MASP

Gustave Courbet

Zélie Courbet, 1847

  • Autor:
    Gustave Courbet
  • Dados biográficos:
    Ornans, França, 1819-La Tour-de-Peilz, Suíça ,1877
  • Título:
    Zélie Courbet
  • Data da obra:
    1847
  • Técnica:
    Óleo sobre tela
  • Dimensões:
    57 x 47,5 x 3 cm
  • Aquisição:
    Doação Paulo Franco, 1951
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    MASP.00073
  • Créditos da fotografia:
    João Musa

TEXTOS



Courbet foi o principal representante do realismo na pintura francesa do século 19. Pintava temas sociais, o trabalho no campo, retratos crus, brutos, não idealizados. Rechaçava a pintura classicista, inspirada em modelos estéticos da Antiguidade. Também recusava o imaginário dramático do romantismo, que refletia os modos de vida e as aspirações da burguesia. Courbet participou ativamente dos movimentos revolucionários democráticos de 1848 e da Comuna de Paris (1871), primeira tentativa de governo socialista realizada depois da derrota da França na guerra contra a Prússia (1869-70). Alinhadas aos seus ideais, suas pinturas passaram a refletir um posicionamento permanente contra a situação política e a arte proposta nos Salões oficiais, a ponto de, em 1858, o artista organizar uma mostra com seus trabalhos recusados, o Pavillon du Réalism e. Além de Zélie Courbet, o MASP possui a pintura Juliette Courbet (1873-74). As modelos eram irmãs do pintor, pintadas com quase trinta anos de intervalo. A pintura mantém as superfícies escuras típicas do artista, com predominância de cinzas, sépias e poucos detalhes coloridos que destacam as figuras do fundo. As feições da menina não são idealizadas e sua expressão é descontraída e afetiva.

— Equipe curatorial MASP, 2017


Fonte: MASP: Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo: Instituto Cultural J. Safra, 2017. (Coleção museus brasileiros)




Por Luciano Migliaccio
A modelo do quadro Zélie Coubert é a irmã de Courbet, Zélie (1828-1875). O pintor descreveu-a em suas cartas como sendo “sempre doente, sempre corajosa, sempre amável”. Para Camesasca (1988, p. 38), as feições da retratada indicam uma idade por volta de 2o anos, o que permite datar a pintura por volta de 1847. A crítica concorda em situar a obra neste ano ou no anterior. A sobriedade técnica na abordagem da pintura e da realidade também concorrem para situar a obra numa data próxima à viagem do pintor à Holanda. A força plástica das pinceladas luminosas no rosto e na mão que o toca, as camadas densas dos brancos e dos cinzas que definem o colarinho, contrapondo-se ao fundo sombrio e aos volumes negros do vestido e do penteado, contribuem para a criação de uma intensidade psicológica e sentimental que não teme a comparação com os retratos de Saskia de Rembrandt. Estamos diante de um daqueles “exórdios magistrais” do pretenso autodidata Courbet, que deviam entusiasmar Cézanne e assentar as bases do realismo contemporâneo em pintura.

— Luciano Migliaccio, 1998


Fonte: Luiz Marques (org.), Catálogo do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo: MASP, 1998. (reedição, 2008).



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca