MASP

Tarsila do Amaral

Trabalhadores, 1938

  • Autor:
    Tarsila do Amaral
  • Dados biográficos:
    Capivari, São Paulo, Brasil, 1886-São Paulo, Brasil ,1973
  • Título:
    Trabalhadores
  • Data da obra:
    1938
  • Técnica:
    Óleo sobre tela
  • Dimensões:
    81 x 100 cm
  • Aquisição:
    Comodato MASP Banco Central
  • Designação:
    Pintura
  • Número de inventário:
    C.01271
  • Créditos da fotografia:
    MASP

TEXTOS



Por meio da representação de personagens tipicamente brasileiras, Tarsila do Amaral apoiou-se numa visão exotizante ao retratar as populações locais, resultado da busca das elites artísticas nacionais por inserção no modernismo ocidental, particularmente alinhado às vanguardas artísticas europeias do início do século 20. Em Trabalhadores (1938), do acervo do MASP, observa-se em primeiro plano um rosto negro, em que as linhas faciais refletem uma expressão de resignação e tristeza. Seu olhar é dirigido ao vazio e seus lábios, cerrados e tensionados, confirmam esse sentimento. Ao fundo, os trabalhadores representados são demarcadamente negros, retratados em diferentes tonalidades, e garimpam um rio, ocupando seu curso. A paisagem de montanhas, a mineração e a condição desses trabalhadores remetem-nos a uma cena de escravização. Assim, é possível inferir que a escolha da artista por representar à época tal cena aponta para a permanência de estruturas sociais escravocratas no Brasil ainda em 1938. Ainda que não seja possível ver os detalhes de seus rostos, a representação dos trabalhadores de Tarsila em um eixo triangular que corta a tela expande-se em perspectiva e sugere um ritmo, uma cadência potencializada pelo movimento do garimpo, que se repete como nas estruturas sociais. A expressão facial da primeira figura distancia-se, nesse sentido, do indivíduo e se torna parte integrante da dinâmica coletiva e contemporânea de exploração dos trabalhadores que atravessa os séculos.

— Artur Santoro, estagiário de curadoria, MASP, 2019


Fonte: Adriano Pedrosa e Fernando Oliva (org.), Tarsila Popular, São Paulo: MASP, 2019.



Pesquise
no Acervo

Filtre sua busca